quinta-feira, 5 de abril de 2012

“Elementary” - Uma adaptação de "Sherlock"?

Aidan Quinn
Com apenas três atores revelados e a dúvida da possibilidade de um envolvimento romântico entre as duas principais personagens, a nova aposta da televisão Norte-americana, CBS, continua a seguir o seu trilho na adaptação das histórias do Cavaleiro da Rainha e escritor britânico, Sir Arthur Conan Doyle, aos modernos tempos americanos.

O criador do piloto é Rob Doherty (“Medium”) e o diretor é Michael Cuesta (“Homeland”). Em princípio, o piloto fará a sua primeira aparição na televisão que o criou algures entre finais deste ano e inícios do próximo, com toda a certeza, antes do início das gravações da 3ª temporada de “Sherlock” da BBC.

Até agora, o cast para as gravações do episódio piloto da série conta com o ator Johnny Lee Miller como Sherlock Holmes, a atriz Lucy Liu como Joan Watson [Doutor John Watson, no canon] (existem dúvidas de que, nesta adaptação ela seja médica ou tenha qualquer antecedente militar…) e o ator Aidan Quinn como Capitão Gregson [Detetive Inspetor Gregson, no canon].

Lucy Liu como Joan Watson
durante as filmagens do piloto
de "Elementary"
Segundo as últimas informações sobre a série disponibilizadas pela Deadline, a história focar-se-á num Sherlock contemporâneo (Miller) que está a viver em Brooklyn após o seu regresso de uma clínica de reabilitação.
O Capitão Gregson (Quinn) é um polícia de Nova Iorque que trabalhou com Sherlock na Scotland Yard após os ataques terroristas do 11 de Setembro. Gregson convida Sherlock a ajudar o NYPD (Departamento da Polícia de Nova Iorque), mas fica desconfiado face ao comportamento excêntrico do detetive.
Algures nesta história será introduzida a Doutora (?) Joan Watson (Liu) que, pelo menos segundo o canon, passará a partilhar o aluguer de um apartamento com Sherlock Holmes (Miller) e a ajudá-lo na resolução de variados crimes.
Assumindo que ela não é (ou já foi) um homem, se Joan Watson é, nesta adaptação, uma ex-médica militar ou se ela será mais do que uma colega e amiga da Holmes, são perguntas que ainda permanecem sem resposta.

Lucy e Johnny durante as
gravações do piloto de
"Elementary"
Apesar do pouco que sabemos acerca desta personagem, a atriz de 43 anos, conhecida pelos seus papéis em filmes como “Charlie’s Angels”, “Chicago” e “Kill Bill” é, de facto, aquela que mais atenção chama neste pequeno grupo de atores, talvez devido a representar nesta série uma personagem que é, originalmente, do sexo oposto ao seu.
Segundo Lucy, "Quer [a série] tenha sucesso ou não, sinto que estou a fazer algo diferente e excitante."
"Desempenhar um papel que historicamente foi uma figura masculina que faz parte, obviamente, de um conhecimento comum e porque tem bases tão Inglesas… isso é algo que eu quis sempre fazer – inovar."

Apesar de muitos duvidarem da pertinência e consequências desta “inovação”, a verdade é que, segundo os experts participantes do The Great Sherlock Holmes Debate II, outras adaptações já tiveram uma Dr.ª Watson e, é claro, pelo menos uma adaptação da BBC já teve um Sherlock Holmes contemporâneo… ainda que, decerto, bem mais Inglês. Mas, segundo uma das participantes do já referido debate, o primeiro argumento para esta série da CBS data de 2000, vários anos antes do surgimento da ideia para a criação da mais recente adaptação da BBC…

Sherlock concentrado na
análise do telemóvel de...
...Watson?
E é aqui que a produtora executiva e o cocriador da série “Sherlock”, da BBC, nos contam outra história onde a originalidade a inovação desta futura série são ainda mais questionadas…
“[Elementary] não é uma versão da nossa série. Eles [a CBS] apenas foram em frente e fizeram uma, após nós recusarmos que fosse feita uma adaptação da nossa versão. Portanto, deixo-vos especular o que eu penso acerca disto.” diz Steven Moffat.
“O maior problema para nós com Elementary é, e se for terrível? E se for muito mau? Nesse caso poderá diminuir o nível da marca. Se existir uma versão extraviada completamente desleal de Sherlock por aí e se for má, isso pode ser prejudicial para nós. Recordo-me de ter havido uma versão Americana legítima de Coupling, adaptada da nossa versão. Foi terrível, um desastre e acabou por enegrecer o original.”
“Sherlock Holmes não nos pertence, a ideia de o modernizar também não. Já foi feito antes. Espero que eles conheçam Sherlock Holmes muito, muito bem porque nós sabemos o que está no nosso programa que não está no original. Então, se nós encontrarmos material nosso no programa de outros, haverá problemas. Se não há nenhuma incidência do género, então não temos nada a objetar.”

Bem, esperemos que aquele telemóvel que o Sherlock de Miller está a examinar não pertença à Watson de Liu porque podem ter a certeza de que, no original, ao contrário do que acontece na série “Sherlock”, Watson não tem um telemóvel!

Fontes aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
Até breve,
ST e PHS.  

2 comentários:

Lika disse...

Sei lá... É estranho, ao mesmo tempo que parece ser uma boa idéia a série, parece ser horrivel, a final em minha opinião não tem nada haver com Sherlock Holmes, e só está levando o nome para ganhar 'créditos' se é que me entendem... Vou assistir ao piloto da série, mas não nego que vou ver com outros olhos desde o inicio... Nunca fui a favor da criação dessa série, mas já que não tem volta, resta torcermos para que não seja ruim, para como disse moffat não diminuir o nivel da marca... =s

Snail Trail disse...

Nós aqui partilhamos totalmente a sua opinião. De facto, parece mesmo que a única coisa que está a guiar a CBS é a vontade de ganhar dinheiro... Mas quem sabe, até pode ser que estejamos todos enganados.

Veremos.

Enviar um comentário

Os 3 visitantes com mais comentários aparecerão no nosso Top Comentadores!
(Para seguir os comentários desta mensagem, clique em "Notificar-me" antes de publicar o seu comentário.)